Nam, mermã❢

meu eu em tua lírica



quero sentir o cheiro de teu corpo depois de tomar um banho e caminhar até a esquina de casa. saber dos teus medos bobos de infância, de como era tua cabeça quando nada parecia fazer sentido. fico pensando se, por acaso, a gente teria se encantado de graça se nos cruzássemos na fila de um branco, na roleta de um ônibus, na escada de uma biblioteca, no estresse de um dia quente. imagino se eu não tivesse erguido a cabeça no momento certo, na verdade, houve momento certo? não sei se até o andar apressado do relógio nos último meses foi definitivo para você esbarrar na minha vida, aliás, tenho diversas dúvidas. virou um vício ficar arquitetando outras formas de contar essa história, tirando e colocando vírgulas, recheando os vácuos com adjetivos e sensações. decorei os seus trejeitos, não me gabo por isso, pelo contrário, que mania essa de te observar, te absorver, te fazer diluir em gestos e comportamentos. os teus olhos miúdos encarando o chão quando te lançam uma pergunta, o indicador apertando o antebraço esperando a hora de ir embora do trabalho, da aula, do barzinho.

por que você sempre demonstra que não quer ficar? 
você não vai ficar? 

e você olha para o chão, gagueja, diz não entender, mas, meu bem, não há metáfora aqui ou acolá. por mais que eu muito queira te decifrar, te devorar, ser devorada, você não entrega todas as fichas, não bate a porta com força e, então, me confunde. planta ideias na meu sentido vago, alimenta feras cheias de expectativas, mas insiste em me oferecer o que procurei distraída por todos os cantos. você nunca vai, sempre fica. e coloca a boca na minha mão de leve depois de me fazer rir por quase nada, enlaça três mechas do meu cabelo, seus dedos dançam enquanto entrança minha vontade de mergulhar em ti, voar em ti, encostar meu eu em tua lírica, rima, métrica. canta do outro lado da janela, não deixa eu ouvir a melodia, nem tua voz. me faz querer adivinhar o que o corpo não sente, mas imagina.

você ainda vai querer ir?

não sou corrente, sou correnteza, fica, deixa minha água te inundar, te acarinhar os dedos enquanto sente a força que levita, que dá vida. teus anseios não ficam visíveis à luz do sol nem da meia lua inteira, fala-me da última vez que chorou ou sorriu até achar que iria morrer. deixa eu entender o que te mata pouco a pouco, coloca na mesa o que você quiser me servir, no seu tempo, ao seu gosto. eu degusto, não farei pouco de você, vou te fazer entender porquê enxerguei em ti uma metade que encaixa e soma, mas que é completa por si só. encosta teu peito magro nas minhas costas, deixa minha pele ser rua de areia movediça para tuas mãos pesadas e macias, desliza em mim sem medo de cair, de se perder. se eu estou aqui com você, não há perigo que não seja inventado, tua mente fértil é par para o meu jeito desvairado, que quando acha que chegou ao limite estende o horizonte sem perceber. 

posso abrir caixas e mais caixas de texto para tentar te guardar em palavras, figuras de linguagem ou em qualquer outro grau da sintaxe, mas você é mais, não cabe aqui e nem em lugar algum. desajustado como eu me defini por tempos, cômico eu ter te achado quando você me diz que deixou se perder. absurdo essa minha insistência em querer dominar e não assumir que, talvez, foi você quem me achou, por ventura, em alguma das minhas passadas apressadas ou enquanto meu pensamento me sabotava. e lá vou eu, mais uma vez, voltando para o começo, teimando em recontar uma história sem desfecho, sem saber como se inicia, tendo poucas certezas, muitas perguntas abafadas. você vira a cantiga do rádio do carro e uma toada cantada por um vaqueiro no meio da chapada em um piscar de olhos, você é tudo o que puder e quiser e entendo e quero para mim essa ideia de admirar e tentar te percorrer com todos os sentidos, com todo o corpo e energia que a física jamais viu ser dissipada.  


essa pessoa, se existe, ainda está perdida de mim. era saudade o que eu sentia de escrever um textinho. 
Mais informações »

me fale de suas cicatrizes: quanto pesa?



desde sempre tive fascinação por cicatrizes, não sei se fascinação é a palavra certa, mas quando vejo alguém com uma bela cicatriz exposta meu corpo não se aguenta. quer perguntar o motivo, se doeu, se faz tempo, se ainda machuca. essa é sempre a última pergunta, vou vendo o rosto desenvolver expressões. tem gente que começa rindo, acha engraçado minha curiosidade, diz que nunca viu alguém assim, mas aí a memória vai trazendo tudo de volta, uma história ganha corpo, e essa é a melhor parte. eu vejo os olhos carregarem, o semblante muda, tem relato feliz de um copo americano que caiu no pé no meio da bebedeira de sexta-feira com os amigos, tem as garrinhas do gato, que vive com a família há anos, no braço, na perna, no rosto. mas tem história que ganha outro corpo, que vai tirando o sorriso pouco a pouco do rosto, vai enchendo os olhos de um sentimento que eu nunca sei decifrar. nunca sei dizer se é fruto de uma dor física que ainda existe ou de uma coisa muito mais profunda, mais íntima, mais doída, daquele dorzinha fina, que vai na alma.

quando a história vai sendo contada eu sempre tento focar o máximo, estou ali para ouvir, sanar minha curiosidade, afinal, eu que comecei com essas perguntas absurdas. mas é difícil sustentar. de um jeito ou de outro, por mais que eu me controle, também percorro meu corpo, minha memória atrás das minhas cicatrizes. que são muitas, felizes, cômicas, que marcaram a pele. estaciono nas que machucaram fundo, que ultrapassaram os três pontos do queixo ou a queimadura na perna. essas viram quase nada, doeram, esperneei quando vi meu corpo aberto, ferido, porém são diferentes das cicatrizes não expostas, daquelas que estão cravadas sabe-se lá aonde, mas que sempre voltam, sempre dão sinal de que estão ali. 

minhas fraturas internas estão protegidas do mundo, dos olhares críticos e dos piedosos, estão longe de paramédicos, de consolos, inalcançáveis até mesmo para mim. só sei que um dia elas já doeram muito, mas que nenhum andar de relógio será suficiente para tirá-las de mim. é nesse ponto, que, ainda ouvindo qualquer uma das histórias que encontro por aí, descubro que minhas cicatrizes e sequelas para sempre serão minhas, para sempre estarão aqui. nós nos confundimos, o olhar distante e irrigado, as noites mal dormidas, os medos não palpáveis, criados ali, sem fundamento, são os vestígios desses pequenos e grandes acidentes que a gente se envolve durante a vida. 

mas quanto pesa uma cicatriz? quando pesa uma dor que ninguém enxerga? um desconforto que ninguém entende? são uma, duas, três mil inseguranças que ninguém sabe explicar de onde vem, mas quem saberia? se nem eu, ou você, que traz consigo a memória e a agonia consegue compreender, imagine... a gente não consegue por fim, não dá para por a mão e retirar, não dá para curar com beijinho como nossa mãe fazia antes. ela está ali, uma sequela latente, com o sangue vermelho denso, viva, e vez ou outra tentando ser protegida, escondida, sendo evitada de ser tocada, trazida à tona, remexida. mas é impossível, nós existimos e agora cada uma delas é real e faz parte de nossa existência. 

e ser, verbo que às vezes mais pesa do que pondera, fica mais leve quando duas pessoas, e suas cicatrizes, se encontram e se reconhecem uma na outra. sabendo que, apesar de não precisar ver corte algum, ali dentro daquele corpo muitas colisões já aconteceram e acontecerão, por fim, entendem que nunca poderão julgar um a dor do outro, o desconforto, a solidão de andar junto e mesmo assim se sentir só. acho que é daí que vem aquela lição de não julgar o próximo, a gente nunca sabe o que se passa naquela profundeza, que por mais que aponte superficialidade, algum dia já foi escavado com unhas ferozes e pontiagudas, machucando, maltratando, deixando marca. a gente nunca sabe do outro. é nesse ponto que eu queria chegar. vou seguir com alucinação por cicatrizes, por marcas na pele, e mais ainda, por aquelas que estão guardadinhas, mas que são reveladas no olhar perdido e na procura por um abraço apertado. 


"todo o mundo é parecido quando sente dor", Barão Vermelho (O poeta está vivo)


Mais informações »

se bastar: estou disponível para mim


Cheguei numa fase da vida que tenho certeza absoluta que nunca serei  a pessoa mais evoluída dessa era (talvez o mapa astral escorpiano explique), mas também sei que os percalços do caminho me ajudaram a fortalecer a crença em mim, nos meus desejos e nas vivências que carrego. Passei a perceber que o mundo inteiro cabe na palma da mão, e por que não na minha?, foi difícil entender que esse meu mundo é maior que muitos outros e ele me basta, essa é a expressão: se bastar. Não estou falando de egoísmo ou individualidade, ando longe dessas ervas daninhas, sei, mais que ninguém, que preciso de vários outros mundos para compor o meu, que preciso de um aconchego e do calor que só uma alma diferente da minha pode dar, compreendo e acredito fielmente que um único grão de areia não faz a ampulheta, até o tempo para existir precisa do "nós". E é lindo acordar para isso, que a gente sozinho é sem rumo, é sem piada boba e conforto na hora do choro, temos dois braços, mas ainda não aprendemos a nos abraçar, nem precisamos dessa astúcia toda. 

Gostoso é ver o outro, sentir o outro, mergulhar em riacho desconhecido, pisar em terreno fértil, mas que também é campo minado, aliás, lidar com uma outra vida não é fácil, mas é sempre enriquecedor, é só sentir ao invés de apenas olhar. Já escrevi por aqui que passei por situações que foram verdadeiras provações, precisei me voltar para o meu interior, e agora, aqui escrevendo para mim e para você, posso confirmar uma coisa que muitos dizem, mas esquecem de refletir sobre: tudo vem para o aprendizado. Se eu não  tivesse percorrido metade do que percorri, não entenderia o que é se colocar a frente de todos, talvez continuasse achando que isso é papo de quem está com dor de cotovelo e precisa se sentir bem resolvido, não é! A gente vive reproduzindo coisas sem perceber a essência daquilo, sem sentir a mudança que pode surgir quando afloramos nosso pensamento e percepções. Eu não saberia que tenho as melhores pessoas do meu mundo ao meu lado, torcendo por minha felicidade, se não tivesse chorado por várias manhãs, não teria precisado vencer o orgulho e colocado para fora todas as mágoas, mesmo que fosse depois de uma ou duas doses de cachaça, se não tivesse sentido a necessidade de esvaziar a alma. Você me entende? a gente está vivo, mas não é o bastante.

É necessário se observar, se entender, olhar com carinho para nossas cicatrizes, elas vão ficar na pele, vão grudar na memória, não existe saída, mas há vários jeitos de lidar com elas, de entendê-las e ter a plena certeza que, mesmo que tenha doído e nos feito padecer, hoje a gente sabe  exatamente o que fazer para evitar aquilo. Só se aprende assim, na prática, caindo, se jogando, não adianta tentar se proteger naquele medo bobo de quem já se machucou demais, a gente não precisa ter limites. Não sei quem inventou essa história de placar para emoções e relações, de quantas vezes cedeu, quantas vezes se apaixonou e quebrou a cara, quantas vezes puxou conversa, alô, em que mundo vocês vivem? Deixem o orgulho fora disso, aprendam a se entender e controlar suas expectativas, se analisem, saibam lidar com as dores, lembranças, sentimentos pesados, mas não se submetam a amarras, quem se conhece nunca está sozinho, quem sente o que quer e para onde deve ir, tem em si o melhor amigo, a melhor companhia, o melhor guia. É esse o tipo de amor que deve vir antes de todos os outros, o amor genuíno por quem somos, por quem já fomos. Se olhe e lembre das birras e receios do mês passado, elas deixaram de existir, você evoluiu, se olhe e lembre dos desafios que passou e do macarrão que conseguiu cozinhar, você venceu. Nós precisamos nos sentir mais felizes por nossas conquistas, se hoje foi um dia melhor que ontem, agradeça a você também, se sinta imensamente gratificado por cada evolução que você se permite alcançar, saiba que você é incrível por conseguir absorver coisas boas em meio a tantas situações tóxicas. Se ame por ter em você uma essência única, um coração que sabe de todos os seus segredos e mesmo assim persiste em pulsar sentimentos bons pelo seu corpo, muitas vezes cansado. 

Eu queria poder fazer você acreditar em tudo o que tenho dito aqui, em cada experiência minha nos últimos tempos, mas não tenho como. O que posso fazer é insistir para que você não desista do seu mundo por nada, não coloque nenhum outro mundo a frente do seu, nenhuma outra vontade a cima da sua, se respeite e cuide de quem você é e está se tornando. É desse jeito que pessoas bem resolvidas se encontram na vida, só assim relações saudáveis acontecem, quando dois mundos se encontram e decidem, pela liberdade de cada um, se colocarem lado a lado. Não se torture por escolhas erradas, por decepções e por quem saiu da vida de repente, cada instante foi válido, cabe a você decidir a importância que aquilo deve receber. A correria da vida não para aqui, ela que nos move, que leva e traz, que finca raízes e dá asas. Hoje eu estou disponível para mim e tenho encontrado pessoas que fazem o mesmo por elas, essas são as melhores, falam de si com empolgação e nos empolgam a seguir  juntos delas, a querer alcançar essa felicidade de carregar uma corpo e vivências que só a gente pode julgar e amar. 


feliz 2017. que todo dia seja o recomeço. obrigada pela visita!
Mais informações »

repete comigo: eu sou o recomeço


eu achava que já tinha experimentado muitas sensações boas, que já soubesse, por exemplo, quais são os melhores sentimentos, pensei que sabia demais e descobri que estou redondamente enganada. É incrível poder ser uma pessoa capaz de se encantar com o mínimo, isso faz toda a diferença na forma como enxergo e me relaciono com muitas coisas. O dia de chuva, descoberta de uma música, conseguir cozinhar, são pequenas alegrias que me fascinam, que dão rumo novo para o dia e que me fazem perceber que se os olhos precisam estar abertos, o coração precisa estar mais ainda. 

me lembro de ser sempre assim, desde criança a quantidade e nem o tamanho foram coisas significativas, o que me faz sentir com força ou ter a sensação de alegria que vem de dentro é parte de quem eu sou, me deixa viva e desenvolve minhas percepções de tudo que está ao meu redor. Quem se acostuma a observar consegue captar mais momentos de felicidade genuína, consegue se enxergar mais, se dispõe a se fazer feliz de várias formas, tem muita coisa próxima que suga nossa energia, tira nosso brilho, nos fazem duvidar de nossa capacidade, do nosso coração gigante e nós, por um ou dois segundos de burrice, chegamos a nos questionar, até mesmo, se somos pessoas difíceis de serem amadas. Dá para acreditar? 

se eu fosse deixar registrada (já deixando) a maior delícia-de-lição de 2016, com certeza não pensaria duas vezes, declararia que o maior despertar desse ano gigante e tumultuado foi a percepção de que recomeçar é necessário e uma maravilha, nessa mesma ordem. No início é tão distante a ideia de se se reerguer, de matar todos os monstros criados na nossa mente, de se bastar fortemente. O calendário passa devagar, a vontade de fraquejar grita em alto-falante, mas, se no meio disso você conseguir enxergar que qualquer pequena conquista, para se tornar maior e melhor, é importante, a felicidade vai chegar e o processo de recomeçar se torna, instantaneamente, um prazer vital. E nesse momento é possível aprender que a gente precisa recomeçar todos os dias, olhar para nossas grandezas, para nossa capacidade de superar desafios diários, a partir disso, passamos a ver o começar dos dias como a materialização não palpável do recomeço, é aí que acordar vai deixar de ser uma obrigação e se torna um bem-querer, o desejo da noite começa a ser: quero acordar!

acordar vai muito além de abrir os olhos e levantar da cama, acordar é despertar para a vida, e isso já é um clichêzão, porque quando se começa a pensar assim é fácil entender porque as manhãs são a melhor parte do dia, a disposição aumenta, atividades cumpridas também. Satisfação é a palavra que dá nome à sensação de ver sua vida deslanchando e em paz, paz consigo mesmo, com o mundo, com o que pode vir mais a frente, não temer enfrentar novas situações nem se sabotar com o que não é o que parece ser. Não é passível de discussão que quando a gente começa a canalizar nossa energia para bons projetos, boas pessoas, bons pensamentos a consequência é uma vida muito bem aproveitada, na simplicidade e calmaria de se estar quite com o universo. 

estar vivo requer ouvidos atentos aos conselhos, olhos filtrando o que devemos fazer ou não, viver precisa dos nossos sentidos espertos, do coração em paz, de pessoas revigoradas e que revigoram, de relações que nos acrescentam e pedem o melhor da gente, de oportunidades capturadas, de sonhos conquistados, de gente para a gente dividir essas conquistas, oportunidades, felicidades, tristezas, de fitinha do Bonfim para quem acredita ou de fé para quem está em dúvida. Depois de passar muita coisa e quase me perder por nada, recentemente, percebi que tudo isso faz parte de um ciclo, que quando nós somos capazes de enfrentar tudo e ser quem somos, mesmo se tivermos que calejar e padecer um pouquinho, é certo que antes do final da batalha já se sente o gosto da vitória, o sorriso que antes tardava, agora nem sai mais do rosto. 

confiar em nossos corações e na nossa força é a saída para viver firme, é dessa forma que se abre novas portas e que novas portas serão abertas para nós, a vida rende muito para quem investe em viver, para quem aprende que aprender é o primeiro passo, depois tudo fica maneiro e fácil de levar para frente. Eu não consigo encontrar o jeito certo para dividir com o mundo como estou orgulhosa da minha capacidade de resiliência, de me superar e de devolver a mim o amor e felicidade que tenho por mim mesma, desejo que todas as pessoas que estão passando por momentos difíceis e confusos consigam se olhar com carinho, porque a resposta e a cura para tudo está dentro da gente, na forma como a gente enxerga a vida. 

Agradeço a tua leitura, obrigada! Seguimos juntes. <3

Mais informações »

já diziam, constante na vida só a mudança


mude. vá e volte mil vezes se preciso for, não se preocupe com o que dizem, pensam ou imaginam, apenas vai seguindo o que você quer ou acha que quer. isso mesmo, ninguém precisa ter certeza de nada agora, esse sentimento de estar perdido não existe apenas em você, tem gente que aponta o dedo e sofre do mesmo mal. vai indo devagarzinho, pegue uns atalhos se for necessário.
pare. 
descanse, beba por uma noite inteira, não atenda ligações do chefe, faça rapel, se equilibre numa corda, visite uma igreja, apenas vai. o nosso erro é ficar se limitando, olha o mundo aí! tudo começa dentro da gente, aparece um ou dois desejos que crescem, que viram sonhos, e, na boa, sonho só existe pra ser realizado, ou pelo menos pra gente andar bem perto disso. porque sonho também pode ser treta, pode não dar tão certo assim, pode não ser pra gente. mas tudo é um viagem que vale muito a pena ser feita, nessa viagem acontecem mudanças (às vezes a gente nem percebe), muda-se de comida preferida ou de pessoa preferida, apenas acontece. 
e essas mudanças são inevitáveis, a gente sendo gente, mesmo. a lagarta de Alice no país das maravilhas está corretíssima, a gente muda toda hora mesmo, quando vai dormir já tem outras visões, outros conceitos. mas tudo isso é uma parte da gente, mas tem coisa que não sai da gente de jeito nenhum. quem a gente é em essência. quem a gente é nas manias, nos desejos mais secretos, nos defeitos, nos pensamentos mais infantis. a gente é essa maravilha toda que fica em casa só e já vai botando Jorge Ben e aproveitando pra arrumar o armário, uma maravilha com gostos e ideias só suass, que domina uns assuntos e sentimentos e outros não, que sabe o ascendente mas não sabe qualé a do ascendente. 
ah, na moral mesmo, falando de amigo pra amigo, a gente é essa maravilha mesmo, eu estou com toda a razão, e vamos nos acostumar com isso, aceitar no sentido seguro da palavra, vamos amar a maravilha que a gente acrescenta no mundo, e mais, no mundo de certas pessoas. porque a gente precisa mesmo é primeiro ser uma maravilha absoluta, pra depois o plural entrar na história. 


* dizem que quem disse pela primeira vez que a mudança é a única constante foi o pensador Heráclito de Efeso.
Mais informações »

gravidade zero: somos um universo



sempre gostei de reproduzir aquela frase que diz "cada pessoa é um universo", mas de uns dia para cá percebi que não é bem assim. o universo é extremamente organizado e equilibrado, e nós? somos também? a resposta pode ser que não, que somos uma bagunça incalculável, sem leis que nos regem e nos equilibram, sem qualquer força que nos façam ficar com os pés no chão ou que, na sua ausência, nos façam levitar para descobrir que tudo se transforma com o tempo. mas por outro lado pode-se dizer que somos sim um universo individual! um apanhado de poeiras de estrelas, de brilhos, colisões, explosões e de cometas que cruzam o céu numa linda noite de sábado.

a verdade é que eu não sei olhar para mim mesma e dizer se sou ou não um universo, se tenho ou não me equilibrado da maneira que deveria ser, aliás, quem dita isso? quem pode dizer se estou tomando as atitudes certas ou indo para o rumo que não vai ofuscar meu brilho? você, como um cientista que estuda o universo e seus mistérios, pode me estudar e me julgar também? eu, como sendo o próprio universo, tenho o discernimento necessário para me analisar e afirmar, com toda a certeza que a ciência parece ter, que eu não estou fazendo da forma certa e que haverão mais explosões solares no meu peito do que eu aguente? quem pode me dizer o que fazer, quem pode apontar o dedo para as minhas decisões, dores e paixões? você? eu?

ultimamente tenho sentido a vida escapando das minhas mãos, como se eu não tivesse todo o poder que pensava ter, percebi que muitas vezes a gente sabe o que precisa fazer, ou pelo menos deveria saber, mas algo muito além nos faz agir de outra forma, cria mil dúvidas e acabamos por fazer tudo de forma contrária, mas sem saber se é o certo ou o errado. comecei a sentir que a inconstância da vida pode se parecer muito com as mudanças que o universo sofre constantemente, a única diferença é que a nossa vida não tem milhões de anos de experiência ou milhões de anos para erros, tentativas e acertos.

e por mais que essa confusão toda passe por minha cabeça centenas de vezes por dia, ainda sim acredito que somos um universo em constante expansão e que, na sua individualidade, não cansa de procurar por equilíbrio. o que esse universo precisa é que conversemos com ele, que busquemos a sabedoria para lidar com todas as causas e efeitos, com cada cometa que cruza o céu ou com a gravidade zero. e por decreto somos um universo, cada qual com o seu, mas com a incessante vontade de abarcar tudo de lindo que se pode ter, de ser o que nenhum outro astronauta visitou, singular e intransferível.



Mais informações »

domingo, skank e banho de mangueira

                                                                                   Para ler ouvindo: Canção Noturna.
                                                                                                         
Domingo sempre foi um dia muito estigmatizado por mim. Quando ainda morava na casa dos meus pais era o dia da semana que a gente almoçava junto e colocava os papos em dia, era quando eu brincava com minha irmã e depois ia dançar ouvindo as fitas do "É o tchan". Era o dia de organizar todos os cadernos e livros para começar a semana com tudo planejado, era dia de estudar algumas coisinhas também, de ver TV, de alugar filmes na locadora, de tomar sorvete até a garganta inflamar, de banho de mangueira no quintal. Domingo era dia de ficar em casa e isso era uma delícia.

Quando saí de casa para estudar em outra cidade, domingo passou a ser um dia de saudade, de querer repetir o que já fiz nesse dia, que é o primeiro da semana mas também parece ser o último. Domingo passou a ser carregado de lembranças, de querer voltar para casa dos meus pais, de procurar um quintal cheio de árvores, como era o lá de casa, e tomar um banho de mangueira, comer melancia e apostar qual semente seria cuspida mais longe. Domingo me dá saudade da minha infância, dos meus sonhos, dos meus amigos, da minha cidade natal, da minha irmã e da nossa estranha amizade. Domingo virou um dia a ser enfrentado, ou então eu seria engolida pela melancolia. 

Mas hoje acordei sozinha, às 11h20, não sabia se tomava café da manhã ou se almoçava, preferi ficar deitada rolando o feed do Instagram e pensando na vida. Até que levantei, providencie almoço, arrumei o apartamento, separei papéis, pensei no tema de TCC, falei com minha mãe e perguntei o que ela iria almoçar, só para reacender a minha saudade da comidinha dela. Almocei assistindo a Globo - que fase - , sozinha, aliás, eu e meus pensamentos, eu e o solzão que triplica em dia de domingo.

Agora, por acaso, eu encontrei uma matéria falando do Skank dos anos 90, e sabe, foi a melhor coisa, Skank é uma banda que sempre tocou nos shows que eu fazia na sala da casa dos meus pais, e eu estou escrevendo e ouvindo "garota nacional, acima do sol, o beijo e a reza", estou ouvindo e lembrando de uma ruma de coisas, de gente. Domingo está se esticando com os meus anos de vida, a melancolia deixa de ser confundida com tristeza e passa a ser lembrança boa, sinal de vida bem vivida. Mas o coração insiste, não adianta, toda saudade é meio triste e alegre demais, né?
Mais informações »

e a ressaca emocional, quem cura?



essa semana tive a oportunidade de intermediar uma roda de discussão sobre um tema interessante, que era para ser super acadêmico, mas que acabou virando uma prosa gostosa. E durante essa conversa, um dos convidados, que é poeta-gente-fina, disse, entre uma fala e outra, que a gente precisa se alimentar mais do que é sensível e imaterial, que as artes são cheias dessas coisas e que as palavras principalmente. Aahhh, bastou ele falar isso para eu levantar os olhos e voltar toda a atenção para o momento. Nós debatíamos sobre cultua, jornalismo e muitas outras coisas, mas foi essa fala despretensiosa (ou não) que me pegou de jeito.

juro, eu me encantei com isso. 

é que os tempos não estão sendo fáceis, falo de mim e das pessoas que mantenho contato quase diário, está tudo muito difícil de ser ajustado, está difícil se ajustar a tais/tantas coisas. Olha o exemplo, se você quer viajar, falta dinheiro, se quer viajar, falta tempo, se quer viajar, falta companhia, se quer viajar, falta carona e com tantos empecilhos, de uma hora para outra... se quer viajar, se desiste e vai ver Tv. 

eu sei que dificuldade sempre existiu e que a vida é uma loucura hard, mas nós andamos enfraquecidos para tanto obstáculo, é como se tivéssemos faltado ao treinamento de como lidar com a dureza da vida... e aí ficou meio mundo de gente confuso, perdido, meio abitolado das ideias, com uma crescente vontade de não fazer mais nada e ver aonde essa merda toda vai dar. É um pingo de revolta e outro pingo daquele cansaço de sexta-feira ao meio dia, quando bate a vontade de ir para casa, mas ainda faltam algumas horas de trabalho/estudo/estágio, enfim, de obrigações que viraram enfadonhas (ou sempre foram).

sem contar do que vem acontecendo nesse mundão de meu deus. 

todo dia é uma ruma de coisa ruim, uma dor, uma vida, uma saudade, um desespero que ataca quem está num aeroporto ou boate no outro lado do mundo, mas que dói em mim, dói em você. E falar dessa dor do outro, que é absorvida-sentida-sofrida por nós, é decifrá-la pela palavra empatia, é explicá-la quando o nosso coração parece conectado com o coração do outro, é resumi-la quando eu digo que eu e você somos pessoas sensíveis, empáticas e raras. 

queria poder confortar todas as pessoas que passam por problemas, queria poder descobrir quando o silêncio ou o sorriso falso esconde algum nó profundo e doloroso, queria poder ser menos egoísta achando que eu sou a pessoa que mais sustenta perrengue, porque, felizmente, eu não sou. Essa semana foi bem complicada (nesse momento ainda não acabou), foi uma semana que dificilmente sairá da mente de muitas pessoas e eu absorvi um pouco da dor e angústia desses dias, tive pesadelos e choros impacientes. No entanto, para tentar me ajudar, por muitos momentos eu quis sentar e falar sobre isso com algumas pessoas, mas eu sabia que elas não me entenderiam, que haveriam mais perguntas e julgamentos do que abraço apertado e mão estendida. 

não as culpo, não nos culpo.

cada um lida com o mundo-sentimentos-outro de uma forma, mas sinto que falta um pouco de ouvidos atentos e coração aberto para atender a angústia de quem convive com a gente. Falta um pouquinho de percepção de mundo e de sentimento verdadeiro. Olhe só, tem gente que parece durona, mas nem é tanto assim, tem gente que sustenta calado porque não vê outra saída, tem muita gente que só precisa sentir um pouquinho de carinho e preocupação para poder desabafar e chorar por alguns minutos. Lá em cima tentei parafrasear o amigo poeta, e ele está certíssimo, vamos nos alimentar do que é sensível, vamos engolir mais amor e espalhá-lo ao nosso irmãx, amigox, maridx ou a quem quer que seja. Tem dias que são difíceis e uma coisinha de nada os transformam, acredito que uma coisinha de nada também pode transformar esses tempos difíceis que Amélie nos falou. E essa coisinha que cura a gente sabe o que é. 

coisinha de nada é o mesmo que um gesto pequeno ou um singelo detalhe.
obrigada por dividir esse momento comigo. 
Mais informações »

sobre junho, ansiedade e prioridades



é junho, mais exatamente um dia antes de festejar São João, em todo lugar tem bandeirinha e bombinha, todo dia tem paçoca ou Maria Izabel soltinha no prato. definitivamente, junho é um mês gostoso, as férias começam e o dia passa a render, é tempo que não se acaba mais, é  noite esticada e sono até mais tarde, e olhem que eu nem estou de férias, mas é que junho tem esse poder. e a resposta é sentida e vista da janela, quando toda manhã separo as cortinas e me sento para pensar na vida, naquele ritmo de quem acabou de acordar e vai demorar para chegar no 220v.

ali, naquele momento, dá para sentir o dia acontecer quando o vento passa pelas janelas e mexe com tudo, faz as cortinas dançarem um ritmo desordenado, mas com aquela organização de quadrilha de rua. e nessa calma de viver a manhã, tem pipa-papagaio-raia-ou-pandorga, colorindo o céu da cidade, sem se importar como é chamada, apenas sendo vista daqui, dando um espetáculo no céu aberto e limpo, fazendo o menino correr por calçada, meio de rua e no chão quente, fazendo o menino pegar sol e ouvir sermão em casa no fim do dia. mas quem é que liga, né?, a galera do meu bairro com certeza não.

esse negócio de observar o dia passando é mania de quem tem horas livres, que pode se dar o luxo de cruzar as pernas e pensar um pouco na vida ou em nada, e, infelizmente, são poucos os que tem uns minutinhos para fazer isso. esse ritmo frenético faz junho - e todos os meses - durar quase nada, como se o mês voasse e deixasse apenas contas para pagar e uma dor infernal nas costas, é um fluxo que foge do nosso controle, do nosso fluxo, do nosso tempo pessoal, a rotina engole tudo. eu, já contando um aprendizado, precisei me conformar em abrir mão de algumas coisas para poder desacelerar a vida, para poder sentir o eu se modificando e o mês sendo vivido. não tem sido fácil, mas esse é um processo que é plantado com a semente do tempo, quando se entende que o nosso tempo precisa ser respeitado, que cada um tem um ritmo, limite e fluxo só seu, saber lidar com eles é saber lidar consigo mesmo, é manter tudo, na medida do possível, na harmonia.

encarar as coisas dessa forma não é tornar-se um saco de ossos sentado no sofá ou na frente do computador o dia todo, tomar esse processo para si é uma jeitinho de organizar tudo, executar as atividades e ainda sobrar tempo para uma cerveja com os amigos ou uma comidinha preparada em casa. é simples entender que é dessa maneira que nós devemos lidar com o tempo e nossas (tantas) obrigações, é um sonho conseguir por em prática esse modelo de rotina que envolve disposições física e mental, é um esforço que faz o tempo ser valioso e sentido a cada instante e que contagia todas as pessoas que convivem conosco.

esse é o meu conselho para quem tem ansiedade ou qualquer outro desconforto, para quem, assim como eu, vive com mil coisas na cabeça o tempo todo e esse fluxo frenético faz com que as coisas não saiam do jeito certo, que passemos por maiores decepções e cansaços emocionais. compreender que a verdadeira alegria só vem com o tempo é começar a ser atuante no ritmo da própria vida, como se tomássemos o controle de volta. é uma relação sua consigo mesmo e sua com o mundo que nos cerca, se começarmos a entender que muita coisa pode esperar, será o mesmo de prezar pelo bem da nossa sanidade e felicidade. esse processo é uma luta contra o sistema e a favor de uma vida melhor, seguimos juntos e fortes.
Mais informações »

de baú nós não temos nada


sempre tive a mania de falar de sentimentos. acontece como uma facilidade do meu ser, é algo natural, eu estou aqui e pá! de repente te encontro e me solto. sem nenhuma dose de álcool, deslancho a falar do meu dia, da sensação gostosa de rir alto, conto sobre o bom dia não respondido do motorista do ônibus e como isso me incomoda, levanto o mérito da quantidade de abraços que dei nas últimas horas... e vou falando. te deixo falar sobre você também, incito com palavras, calo pra te deixar ouvir a música que toca baixinha, e pergunto sobre a mãe, se a gata já deu cria ou se olhou a lua de ontem, "incrível, né?".

te deixo contar sobre o que quiser, não faço cara de quem está interessada, eu realmente estou, fico encantada com quem sabe contar histórias e mais ainda com quem conta um fato enganchado em outro, e vira aquele novelo de lã de mini histórias, quase um diário escrito em frases de duas linhas. é uma sensação gostosa te ouvir falar sobre como se sente, sobre o dia ou sobre o calor que fez, porque no fundo é você se abrindo, botando pra fora alegrias, tristezas e angústias, vez ou outra sai uma mentirinha, um cara que não existe ou a força que você não tem, mas eu entendo. às vezes eu também me engano e acabo acreditando em um monte de coisas que só existem na minha cabeça, e se, por acaso, te digo como se fosse verdade não é por maldade, é só a vontade daquilo ser meu, daquela autoestima, força ou kg a menos serem de quem tanto valoriza a palavra contada e declaração.
e você vai falando até cansar de ouvir a própria voz, e eu sinto que a minha vez de jogar no ar tudo aquilo que aquela conversa pode abarcar chegou: abre alas! e conto sobre o que não consigo resolver, sem esconder a humildade ou forçar a barra, desenrolo tudo em detalhes e mostro que não falo por falar, aliás, ninguém faz isso, falo da minha vida pra ouvir de ti um conselho, pra receber um abraço mansinho que evita a lágrima escorrer ou ensurdecer com tua gaitada, falo dos amores, das dores, das alegrias e sonhos porque preciso dividir contigo a minha vida, porque não faz sentido carregar tanta coisa no peito e deixar tudo preso e escondido, sem ninguém saber. 

e eu falo, falo mesmo, berro se preciso for. e quero que você faça isso também, porque de baú nós não temos nada, aliás, guardar nem dinheiro a gente guarda, por que segurar dentro de si tanta coisa que só faz sentindo se cair no mundo, no colo e no ouvido de outras pessoas? e vamos lá, que enquanto houver vida há história, e enquanto houver o que contar a gente conta mesmo, seja aonde for. 
Mais informações »